Ao longo da Ribeira de Valongo, Ribeira de Leomil logo após o Vidual e da Ribeira da Dama, afluente daquela, os pitorescos Moinhos de água existentes servem agora de adorno à paisagem e partilham a sorte da velha economia rural e patriarcal – ruem ao abandono, invadidos pelos matos e pelas giestas.

Esta forma de economia rural, com lugar marcante no sistema económico das sociedades, organizada à volta da troca do serviço da moagem pela cobrança de uma percentagem da quantidade da farinha moída e da exploração de todas as possibilidades naturais das serranias, foi outrora sinal de algum conforto económico. Em tempos de muitas necessidades e carências, ser-se moleiro significava, para si e para todos os seus, o remédio para a praga da fome, sendo vedado aos seus filhos, por exemplo, o direito a comer a sopa na cantina da Escola primária que a assistência de então fornecia a todas as crianças.
Copyright © 2014 Moinhos tia Antoninha | powered by ponto.C